imprimir

MELLO, Ícaro de Castro
Arquiteto e engenheiro.
Ícaro de Castro Mello (1913: São Vicente, SP – 1986: São Paulo, SP).

Pai dos arquitetos Eduardo e Vicente de Castro Mello.

“Na história da arquitetura brasileira, raros são os registros de arquitetos com produção centrada numa temática específica. Ícaro de Castro Mello foi um deles. (...) Muito cedo comprometeu-se com a concepção de prédios esportivos e (...) nunca interrompeu as incursões neste território, sendo seguramente o arquiteto brasileiro que criou o maior número de edifícios desta natureza.” (Alberto Xavier, “Nas arenas da profissão”, in Joana Mello de Carvalho (Org.). Ícaro de Castro Mello: principais projetos, p. 11. São Paulo: J. J. Carol Editora, 2005).

1931-33 – Estudou na Escola de Engenharia Mackenzie, em São Paulo.
1933-35 – Prosseguiu os estudos na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), graduando-se engenheiro-arquiteto. Ao se formar, já era atleta consagrado, campeão paulista, brasileiro e sul-americano de salto em altura, salto com vara e decatlo.
1936 – Participou dos Jogos Olímpicos de Berlim, na Alemanha, integrando a equipe brasileira de atletismo. Aproveitou a oportunidade para estagiar por uma semana no escritório do arquiteto Werner March, autor do projeto do estádio olímpico da capital alemã.
1936-42 – Dedicou-se à construção de obras residenciais de pequeno porte em São Paulo e Guarujá (SP).
1943 – Foi um dos membros fundadores do departamento de São Paulo do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-SP).
1946-55 – Trabalhou como projetista no Departamento de Educação Física e Esportes do Estado de São Paulo, a convite de Sylvio de Magalhães Padilha.
1948 – Projetou a piscina coberta do Parque da Água Branca, na cidade de São Paulo. Considerada um de seus trabalhos mais interessantes, a piscina foi construída com arcos parabólicos de concreto armado e inaugurada quatro anos depois. Em parceria com Oswaldo Corrêa Gonçalves, fez o projeto do estádio do Guarani Futebol Clube, em Campinas (SP), com projeto estrutural de Arthur Luiz Pitta. Foi vice-presidente do Congresso Brasileiro de Arquitetura, em Porto Alegre, RS.
1950 – Projetou sua residência na capital paulista, com painel mural na fachada de Roberto Burle Marx.
1950-56 – Foi professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP)
1951-52 – A convite de Francisco Matarazzo Sobrinho, participou da equipe de planejamento das comemorações do quarto centenário da cidade de São Paulo, juntamente com Rino Levi e outros arquitetos modernistas.
1952 – Projetou o Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Previsto para ser inaugurado nas comemorações do quarto centenário da capital em 1954, o ginásio foi concluído somente três anos depois, em decorrência de problemas financeiros, tornando-se desde então palco de importantes competições esportivas e espetáculos culturais.
1953-62 – Realizou projetos de ginásios, centros esportivos e estádios para o Jóquei Clube de Uberaba (MG), a Universidade de São Paulo e a Federação Universitária Paulista de Esportes na cidade de São Paulo, a Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) em Itapecerica da Serra, o Serviço Social do Comércio (Sesc) em Bertioga (SP) e a prefeitura de São Bernardo do Campo (SP). Em parceria com Helio Pasta e Arthur Luiz Pitta, elaborou o plano diretor do conjunto da hidrelétrica de Salto Grande, na divisa dos estados de São Paulo e Paraná. Foi responsável pelos projetos dos edifícios administrativos e da casa de força da usina.
1956-61 – Exerceu o cargo de presidente do IAB-SP.
1960-66 – Foi presidente do IAB nacional.
1964-70 – Projetou os ginásios esportivos de Fortaleza (Paulo Sarasate), Recife (Geraldo Magalhães) e Brasília (Nilson Nelson), com a colaboração do arquiteto Hans Egger, e o estádio municipal de Rio Claro (SP).
1967 – Foi um dos membros fundadores e primeiro presidente da Associação Profissional dos Arquitetos de São Paulo, órgão antecessor do Sindicato dos Arquitetos no Estado de São Paulo.
1972 – Desenvolveu o projeto do estádio Mané Garrincha, em Brasília, adotando o partido das arquibancadas setorizadas, como no estádio municipal de Rio Claro, com o objetivo de evitar conflitos entre torcidas, melhorar o escoamento do público e permitir sua construção por etapas.
1975 – Fez o projeto do centro poliesportivo do Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo.
1975-78 – Exerceu o cargo de vice-presidente da Federação Pan-Americana de Arquitetos.
1980 – Projetou o balneário Parque São Jorge para o Sport Clube Corinthians Paulista, na capital paulista.
1983 – Participou do concurso internacional para o ginásio de esportes da Universidade de Amã, Jordânia.
1984 – Realizou o projeto da unidade Sesc-Itaquera (SP).

Foi laureado com o Prêmio Vilanova Artigas de Arquiteto do Ano em 1986 e homenageado com sala especial na 6ª Bienal Internacional de Arquitetura da Fundação Bienal de São Paulo em 2005.


Fontes
AYALA, Walmir. Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: INL/MEC, 1977, v. 3, p. 132.
CARVALHO, Joana Mello de (Org.). Ícaro de Castro Mello: principais projetos, p. 11. São Paulo: J. J. Carol Editora, 2005.
CAVALCANTI, Lauro. Quando o Brasil era moderno: guia de arquitetura 1928-1960. Rio de Janeiro: Editora Aeroplano, 2001.
OBRAS de Ícaro e Carlos Millan ainda pulsam. Folha de S. Paulo, São Paulo, 16 out. 2005.
< http://www.castromello.com.br/estudio/icaro/icaro.asp>

 

MGS