CÓRDULA, Raul
Pintor, cenógrafo, artista gráfico, crítico de arte, desenhista, programador visual, escritor e professor.
Raul Córdula Filho (1943: Campina Grande, PB).

Influenciado pela Nova Figuração e pela Pop Art, foi supervisor da Casa da Cultura de Pernambuco, responsável pelo intercâmbio da Casa França-Brasil, e representante da Associação Cultural de Marselha, França.

“Acho (...) que a pintura de Raul Córdula extrapola o universo da arte. Ora, isso não é novidade para aqueles que conhecem a trajetória ininterrupta de quase cinquenta anos deste artista parido na Serra da Borborema, pertinho das itaquatiaras do Ingá, no interior da Paraíba. Sua ampla atuação projeta não apenas um multiartista, mas uma forma de vida, toda dedicada à arte (...) e sempre direcionada para um desempenho multifário, da política à estética, da técnica à poesia, do caos à ordem.” (Dyógenes Chaves, artista visual e crítico de art. <http://triplov.com/blog/2009/02/22/o-multiplo-e-raro-raul-cordula>).

1946-58 – Viveu no Rio de Janeiro, RJ.
1958 – Iniciou-se na pintura, sob orientação de Flávio Bezerra de Carvalho.
1959 – Ilustrou poesias do grupo paraibano Geração 59.
1963-65 – Foi supervisor do setor de artes plásticas da Universidade Federal da Paraíba.
1964 – De volta ao Rio de Janeiro, passou a frequentar os cursos livres de pintura no Museu de Arte Moderna, tornando-se aluno de Domenico Lazzarinide. Estudou também com Carlos Cavalcante no Instituto de Belas Artes, Rio de Janeiro.
1965-72 – Trabalhou como cenógrafo em diversas emissoras de televisão.
1967 – Foi um dos fundadores e tornou-se diretor do Museu de Arte Assis Chateaubriand de Campina Grande, PB.
1976 – Foi secretário-geral do III Salão de Arte Global de Pernambuco “O Artesanato e o Homem”, em Recife. Participou como observador da Rede Globo de Televisão da IX Conferência Mundial de Artesanato, filiada à Unesco, na Cidade do México, México.
1976-91 – Fixou residência em Recife, PE.
1977 – Criou o Núcleo de Arte Popular e Artesanato da Casa de Cultura de Pernambuco, em Recife.
1978-85 – Coordenou o Núcleo de Arte Contemporânea da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.
1978-88 – Foi professor de história da arte e fundamentos da linguagem visual nos cursos de educação artística e arquitetura e urbanismo do Departamento de Artes do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.
1979-83 – Coordenou o Núcleo de Arte Contemporânea da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.
1981-86 – Foi delegado do Conselho Mundial de Artesanato, filiado à Unesco, João Pessoa.
1982-84 – Foi diretor artístico e diretor técnico da Oficina Guaianases de Gravura, Olinda, PE.
1986-88 – Participou da Comissão Nacional de Artes Plásticas da Fundação Nacional de Arte.
1994 – Coordenou a implantação do Salão Museu de Arte Moderna da Bahia de Artes Plásticas, Salvador.
1997-98 – Foi diretor de desenvolvimento artístico e cultural da Fundação Espaço Cultural da Paraíba.
2009 – Lançou o livro Memórias do olhar, em João Pessoa.

Realizou, entre outras, as seguintes exposições individuais:
1961 – Biblioteca Pública, João Pessoa.
1965 – Galeria Verseau, Rio de Janeiro.
1968 – Oficina 154, Olinda.
1973 – Galeria Pedro Américo, João Pessoa.
1975 – Galeria I. M. Antiquariato, São Paulo.
1978 – Polivox, Belo Horizonte, MG.
1980 – Galeria de Arte Frei Confaloni, Goiânia, GO.
1982 – Universidade de Caxias do Sul, Centro de Convivência, Caxias do Sul, RS.
1984 – Arte Galeria, Fortaleza, CE.
1990 – Hotel Rafain Palace, Foz do Iguaçu, PR.
1991 – Embaixada do Brasil, Paris.
1995 – Época Decorações, Brasília, DF.
2000 – Raul Córdula Filho: pinturas, Galerie Im Einstein, Berlim, Alemanha.

Participou, entre outras, das seguintes exposições coletivas:
1961 – Salão Comemorativo das Festas Henriquinas, João Pessoa.
1964 – XIX Salão de Belas Artes da Cidade de Belo Horizonte, Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte.
1965 – XIX Salão Mineiro, Belo Horizonte, prêmio em desenho.
1966 – XX Salão Mineiro, Belo Horizonte, menção honrosa em pintura; XV Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro; I Bienal Nacional de Artes Plásticas, Salvador.
1974,75 – Salão de Arte Global de Pernambuco, Casa de Cultura de Pernambuco, Recife (Prêmio Ministério de Educação e Cultura, na edição de 1974, e prêmio de viagem ao exterior, na de 1975).
1979-81 – Bienal Internacional de São Paulo, Fundação Bienal, São Paulo.
1980-81 – Salão Nacional de Artes Plásticas, Museu Nacional de Belas-Artes, Rio de Janeiro.
1983 – I Exposição de Arte Latino-Americana, Recife; XIV Panorama de Arte Atual Brasileira, Museu de Arte Moderna, São Paulo.
1984 – VII Salão Nacional de Artes Plásticas, Museu de Arte Moderna, São Paulo.
1988 – Workshop São Paulo-Berlim, Staatliche Kunsthalle, Berlim.
1993 – XXIII Panorama de Arte Atual Brasileira, Museu de Arte Moderna, São Paulo.
1994 – Xilogravura: do cordel à galeria, Metrô São Paulo.
2001 – XX Salão Arte Pará, Museu do Estado do Pará, Belém, PA.
2003 – Tesouros da Caixa: arte moderna brasileira, Conjunto Cultural da Caixa Econômica Federal, Rio de Janeiro .


Fontes
CAVALCANTI, Carlos (org.). Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973, v. 1, p. 447.
PONTUAL, Roberto. Dicionário das Artes Plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA). <http://triplov.com/blog/2009/02/22/o-multiplo-e-raro-raul-cordula>
< http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=artistasbiografia&
cd_verbete=3107&cd_item=1&cd_idioma=28555>

MGS