CAMPELLO, Glauco
Arquiteto, urbanista, restaurador e professor.
Glauco de Oliveira Campello (1934: Mamanguape, PB).

ca. 1955 – Ingressou na Escola de Belas Artes do Recife.
1956-59 – Prosseguiu os estudos no Rio de Janeiro, cursando a Faculdade Nacional de Arquitetura da Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Estagiou no escritório de Oscar Niemeyer, tornando-se amigo e colaborador do arquiteto.
1959-61 – Participou da construção de Brasília, a convite de Oscar Niemeyer, elaborando os projetos do Centro de Reabilitação Sara Kubitschek (primeira fase), da residência do Arcebispo de Brasília, da Catedral Episcopal Anglicana e das capelas do Cemitério Campo da Boa Esperança.
1962 – Integrou a pioneira equipe do Centro de Planejamento da Universidade de Brasília (UnB), atual Centro de Planejamento Oscar Niemeyer (Ceplan).
1965 – Projetou o Clube das Nações, em Brasília, em colaboração com Ítalo Campofiorito e Luiz Mário Xavier.
1969-71 – Realizou projetos de prédios públicos e residenciais em Recife, entre os quais, o Centro de Reabilitação Profissional do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), o edifício Oásis e conjunto residencial Joana Dália da Silveira. Lecionou na Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
1972-75 – Trabalhou na Itália como responsável pelo desenvolvimento do projeto de Oscar Niemeyer para a sede da Editora Mondadori, em Milão. Elaborou estudo de conjunto residencial dos empregados da editora em Milão e o projeto do complexo industrial da editora em Cles.
1975 – De volta ao país, abriu escritório no Rio de Janeiro, passando a desenvolver, juntamente com o trabalho de arquiteto, atividades ligadas à restauração e revitalização de centros históricos e culturais.
1976-77 – Em colaboração com o arquiteto José Luís Pinho, projetou o conjunto de edificações do Parque Recreativo de Brasília e venceu o concurso nacional de projetos para a construção do terminal rodoviário de João Pessoa. Com estrutura em concreto armado e cobertura de telha de aço, a nova rodoviária da capital paraibana foi inaugurada cinco anos depois.
1981 – Juntamente com os arquitetos Vital Pessôa de Melo e José Luís Pinho, venceu o concurso nacional de projetos para a sede administrativa do Banco Nacional do Norte (Banorte), em Recife.
1983 – Venceu o concurso de projetos para a Biblioteca Pública do Rio de Janeiro, oficialmente denominada Biblioteca Pública Celso Kelly, idealizada por Darcy Ribeiro e construída no centro da cidade do Rio de Janeiro.
1984-89 – Projetou e coordenou as obras de restauração do Paço Imperial, do edifício destinado ao Museu Villa Lobos e do Museu da Imagem do Som (MIS), no Rio de Janeiro tendo sido também responsável pelo projeto do anexo do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.
1988-91 – Foi professor titular (anistiado) da Universidade de Brasília.
1992 – Juntamente com José Luís Pinho, coordenou o projeto de restauração e revitalização do antigo prédio da Light no Rio de Janeiro, tendo em vista a instalação do Centro Cultural Light.
1994 – Foi nomeado presidente do Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural (IBPC), órgão sucessor do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN).
1994-98 – Foi presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), órgão sucessor do IBPC, exercendo o cargo até o final do primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso.
2001 – Publicou O brilho da simplicidade: dois estudos sobre arquitetura religiosa no Brasil colonial, (Rio de Janeiro:Casa da Palavra).
2002 – Projetou a restauração e ampliação do edifício destinado à Casa da Cultura de Paraty, no Rio de Janeiro, e a restauração do Sítio Histórico do Matadouro de Peixinhos, Recife.
2003 – Projetou os novos pavilhões para os blocos dos departamentos de Botânica, Antropologia, Geologia, Paleontologia, Zoologia e Administração do Museu Nacional, no Rio de Janeiro.
2004 – Projetou o prédio anexo ao Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (MG), destinado a abrigar sua diretoria e equipe técnica, e foi consultor do projeto de restauro da igreja da Pampulha, na capital mineira.
2006 – Projetou a restauração e adaptação do edifício da antiga sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e do edifício destinado à Casa do Samba, ambos no Rio de Janeiro.
2007 – Realizou o projeto arquitetônico para o arquivo de películas do Centro Técnico Audiovisual (CTAv), no Rio de Janeiro.
2008 – Projetou a restauração e adaptação do edifício do antigo Arquivo Nacional para abrigar o Museu e o Centro Cultural da Casa da Moeda, no Rio de Janeiro.
2009 - Projetou o prédio anexo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-Rio), destinado a abrigar a reserva técnica do museu e o acervo do artista plástico e marchand Marcantonio Vilaça. Concebido com traços simples para não se contrapor a arquitetura marcante do prédio principal, assinado por Affonso Reidy, o projeto foi aprovado pelo IPHAN no ano seguinte.


Fontes
CAVALCANTI, Lauro. Quando o Brasil era moderno: guia de arquitetura 1928-1960. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001, p. 104-107.
ENTREVISTA com Glauco Campelo. Site do Centro Técnico Audiovisual (CTVa). Disponível em:
< http://www.ctav.gov.br/2008/04/10/entrevista-glauco-campello/>
FERREIRA, André Feitosa Martins. Terminal rodoviário de João Pessoa. Disponível em:
< http://arqpb.blogspot.com/2007/10/glauco-campelo.html>
MUSEU de Arte Moderna do Rio de Janeiro terá mais um edifício. Site da Revista <http://www.piniweb.com.br/construcao/arquitetura/museu-de-arte-moderna-do-rio-de-janeiro-tera-mais-169933-1.asp>
SOARES, Dulce (Coord.). Guia arquitetura Brasília. São Paulo: Empresa das Artes, 2000.

CTR